Estamos em conformidade com as normas LGPD e a resolução CFM/2299 – saiba mais

Pesquisar

CID 11: conheça as principais mudanças na classificação de doenças

Descubra como as atualizações da CID 11 beneficiam profissionais de saúde, aprimorando diagnósticos, pesquisas e práticas médicas.

A evolução constante da medicina e o aprofundamento do conhecimento científico demandam atualizações regulares nas ferramentas utilizadas pelos profissionais de saúde. 

Nesse contexto, a Classificação Internacional de Doenças (CID) desempenha um papel crucial, fornecendo um sistema padronizado para a codificação de diversas condições de saúde. Com a transição da CID 10 para a CID 11, é fundamental compreender as principais mudanças e atualizações que moldam essa nova versão.

Ao compreender as alterações na classificação, os profissionais de saúde estarão mais aptos e bem equipados para lidar com a complexidade crescente das condições de saúde, promovendo uma abordagem mais precisa, eficiente e informada no cuidado aos pacientes.

A CID 11 representa um marco significativo, refletindo avanços nos campos da medicina, epidemiologia e pesquisa clínica.

Por isso, em nosso novo artigo, você poderá explorar as transformações mais relevantes introduzidas nessa última atualização, além de mudanças que impactam a prática médica.

O que é a CID?
Qual a importância da CID 11?
O que foi reestruturado na CID 11?
Onde encontrar a CID 11 na íntegra?
Conheça alguns códigos da classificação

O que é a CID?

Antes de partirmos para a análise das mudanças recentes, precisamos entender o que é a Classificação Internacional de Doenças (CID) e como ela afeta o ambiente da medicina em geral.

A CID é uma ferramenta essencial no campo da saúde, fornecendo uma linguagem comum que permite profissionais de saúde como pesquisadores, médicos e gestores de saúde compartilharem informações padronizadas em todo o mundo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) é quem cuida, atualiza e disponibiliza a tabela de classificação de doenças. O processo de padronização é realizado através de coleta de dados médicos para análise epidemiológica e estatística, seguindo um alto rigor científico.

Diversos profissionais da saúde conversando em sala de reuniões

Qual a importância da CID 11 para os profissionais de saúde?

Com a transição para a CID 11, a relevância dessa classificação atingiu novos patamares, desempenhando um papel crucial na compreensão, diagnóstico e tratamento de uma ampla gama de condições de saúde.

Precisão diagnóstica

A CID 11 representa um avanço significativo na precisão diagnóstica, oferecendo códigos mais refinados e atualizados para diversas doenças e transtornos.

Para os profissionais de saúde no Brasil e em todo o mundo, essa precisão é vital para a identificação correta de condições clínicas, proporcionando bases sólidas para estratégias de tratamento eficazes.

Epidemiologia e Saúde Pública

Na esfera da epidemiologia, a CID 11 desempenha um papel fundamental na coleta e análise de dados de saúde. Ao oferecer uma estrutura padronizada de codificação, facilita a comparação de estatísticas entre diferentes regiões e populações.

Essa uniformidade é essencial para a formulação de políticas de saúde pública, permitindo uma abordagem mais eficaz para enfrentar desafios globais.

Pesquisa e Avanço Científico

Profissionais envolvidos em pesquisas clínicas e científicas encontram na CID 11 uma aliada valiosa. A classificação atualizada reflete os avanços constantes na compreensão das condições de saúde, garantindo que as investigações científicas estejam alinhadas com as mais recentes descobertas e padrões internacionais.

Adaptação às Mudanças no Perfil de Saúde

A dinâmica natureza da saúde global exige uma classificação que se adapte continuamente. A CID-11 atende a essa necessidade, incorporando mudanças no perfil epidemiológico e refletindo a evolução das condições de saúde, incluindo novas doenças e alterações nos padrões de prevalência.

Estar familiarizado e atualizado com a CID-11 é essencial para garantir que os profissionais de saúde desempenhem seus papeis de maneira eficaz, contribuindo para um panorama de saúde global mais robusto e resiliente.

Leia também: Como a CID 11 é utilizada para pesquisas na área da saúde

Quebra-cabeça branco com peça faltando

O que foi reestruturado na CID 11?

Como você pode perceber pelo número na nomenclatura, a CID 11 passou por algumas alterações significativas em relação a sua antecessora, a CID 10, que foi lançada logo no começo da década de 1990.

Nas descobertas científicas, os problemas sanitários, habitacionais ou econômicos tendem a diminuir com o passar dos anos. Com isso, as alterações no índice de doenças também são necessárias para entender e analisar as mudanças no quadro de saúde.

As doenças não são estáticas. Assim como diversas áreas da sociedade, as doenças também passam por transformações, seja pelo seu enfraquecimento devido à descoberta de imunizantes, ou pelo seu fortalecimento, gerando variantes mais intensas e agressivas.

Essas alterações e descobertas de novas doenças tiveram reflexos na atualização da CID 10 para a CID 11. Mais de 90 países forneceram dados atualizados sobre doenças já estudadas no século passado e também sobre novas doenças atuais.

Principais características da CID 11

A CID 11 contém cerca de 17 mil códigos para lesões, doenças e causas de morte. Esses códigos permitem a categorização precisa de condições de saúde, facilitando o registro e a análise de dados.

Além disso, a atualização da CID 11 passou por mudanças no quesito de digitalização, abertura para diferentes línguas serem incluídas, novo formato estrutural que facilita a codificação de detalhes relevantes sobre as doenças, entre outros.

Para facilitar a visualização das principais mudanças, montamos uma lista com 6 diferenças cruciais na nova atualização:

1. Estrutura

  • CID 10: Possui um formato alfanumérico com códigos compostos por letras e números, sendo organizada também em capítulos, seções e categorias.
  • CID 11: Adota um formato mais flexível, integrando a tecnologia digital por meio de códigos compostos apenas por letras e sendo estruturada em blocos.

2. Especificidade e detalhamento

  • CID 10: Carece de detalhes específicos, embora seja abrangente. Entretanto, seus diagnósticos podem ter imprecisões.
  • CID 11: Oferece maior nível de detalhe e especificidade por conseguir incluir novas categorias e subcategorias para refletir melhor a diversidade de condições de saúde.

3. Saúde Mental

  • CID 10: Possui categorias de saúde mental, porém desatualizados.
  • CID 11: Traz atualizações significativas na área da saúde mental, refletindo todos os avanços científicos e a descoberta de transtornos mais atuais.

4. Inclusão de fator social

  • CID 10: Infelizmente não considera fatores sociais e contextuais em suas classificações.
  • CID 11: Reconhece a importância dos determinantes sociais da saúde e também inclui diversas informações sobre o contexto e as influências sociais.

5. Abordagem multilíngue

  • CID 10: Foi originalmente escrita em inglês e traduzida para uma variedade não muito grande de línguas.
  • CID 11: Foi projetada para ser multilíngue desde o seu início, o que facilita a adoção global.

6. Participação global

  • CID 10: A revisão da CID 10 envolveu principalmente especialistas da OMS.
  • CID 11: Contou com a participação de profissionais da saúde de mais de 90 países, tornando-a mais representativa e abrangente.

Assim como diversos documentos que servem como um guia de referência, a classificação é a base para os sistemas de informação de saúde. Ela auxilia na resposta a pandemias, como foi o caso da Covid-19, por meio do uso de dados padronizados.

Houve também o registro digital de certificados para Covid-19, que incorpora a documentação digital de certificados para a doença epidêmica, o que permitiu um acompanhamento mais preciso na evolução da pandemia.

Além disso, a CID 11 é capaz de capturar dados sobre segurança na assistência à saúde, identificando e reduzindo eventos que são desnecessários ou que podem prejudicar a saúde.

Leia também: Por que a CID-10 não deve ser mais usada?

Médica de óculos observa tela de computador

Onde encontrar a CID 11 na íntegra

No Brasil, a versão mais recente é a CID 11, que abrange uma ampla gama de doenças e transtornos. Se você é um profissional de saúde, pesquisador ou simplesmente está curioso para explorar essa classificação de maneira abrangente, saiba que existem diferentes formas de requisitá-la.

Em muitos países, especialmente no contexto brasileiro, bancos de dados nacionais disponibilizam a CID 11. O Ministério da Saúde ou órgãos de saúde estaduais costumam fornecer acesso a essas informações em seus sites oficiais. 

Os profissionais de saúde que desejam fazer uso da ferramenta podem acessar através do navegador da CID 11, disponibilizado totalmente em português.

Além disso, a Organização Mundial de Saúde (OMS) oferece esse recurso de fácil acesso com tradução em português em seu site oficial. Lá, você encontrará todas as categorias e subcategorias detalhadas da CID 11.

Conheça alguns códigos da classificação

Como é comum em tabelas de classificação, existem padrões e códigos que devem ser seguidos para se ter mais organização e clareza sobre determinado assunto.

Com a CID 11 não é diferente. Os códigos de classificação são divididos em capítulos. Ao todo são 21 capítulos divididos entre as mais variadas doenças, distúrbios, transtornos, problemas circulatórios, respiratórios, auditivos, visuais, entre outros.

Os médicos utilizam diversos códigos da CID 11 para registrar seus diagnósticos e monitorar as condições de saúde de um paciente. Alguns dos códigos mais utilizados incluem:

I10 – Hipertensão Essencial

Este código é frequentemente utilizado para codificar casos de hipertensão arterial primária, uma condição comum que afeta um grande número de pacientes no Brasil.

J45 – Asma

A asma é uma condição respiratória crônica comum. O código J45 é frequentemente utilizado por médicos para codificar diagnósticos relacionados a essa doença.

N17 – Doença Renal Crônica, Estágio 3

A doença renal crônica é uma preocupação crescente na área da saúde. O código N17 é utilizado para classificar casos de doença renal crônica no estágio 3.

E11 – Diabetes Mellitus Tipo 2

O diabetes mellitus tipo 2 é uma condição metabólica prevalente. O código E11 é utilizado para codificar casos de diabetes mellitus tipo 2.

C50 – Neoplasia Maligna da Mama

O câncer de mama é uma das neoplasias mais comuns entre as mulheres. O código C50 é frequentemente utilizado para codificar diagnósticos relacionados a essa forma de câncer.

F32 – Episódio Depressivo Moderado

Transtornos depressivos são comuns na prática médica. O código F32 é utilizado para casos de episódio depressivo moderado.

S82 – Fratura do Tornozelo

Lesões ortopédicas, como fraturas, também são codificadas pela CID 11. O código S82 é utilizado para fraturas do tornozelo.

Esses são apenas alguns exemplos, e a CID 11 oferece uma ampla variedade de códigos para abranger diferentes condições de saúde. É importante que os médicos estejam familiarizados com esses códigos para documentar adequadamente os diagnósticos no prontuário eletrônico e garantir uma comunicação eficaz entre os profissionais de saúde.

Você também pode se interessar: Como utilizar o CID 11 no seu dia a dia?

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba novidades todas as semanas em seu e-mail

Posts relacionados

Conheça o sistema de gestão que auxilia no gerenciamento de sua clínica de ponta a ponta e descubra 9 formas práticas para diminuir custos.
Conheça os benefícios, os desafios, as principais integrações e muito mais sobre o prontuário eletrônico, suas funcionalidades e implementação.
Você sabe por que deve implementar um sistema de agendamento médico em sua clínica? Conheça 6 benefícios que podem convencê-lo.
Como medir o faturamento da clínica? Saiba como um sistema de gestão pode ajudar no controle financeiro do seu negócio de saúde.

Antes de falar com nosso time comercial,
nos informe:

Está buscando atendimento médico? Clique aqui

É paciente? Atenção!

Nosso sistema é exclusivo para gestão de clínicas, consultórios e operadoras de saúde. Se você precisa de atendimento, conheça nosso agendamento online e encontre os melhores profissionais.